10
escrito por Fenrir

A base da economia era a agricultura primitiva praticada nas milpas, unidades de produção agrária. O trato da terra era comunal, em sistema rotativo de culturas, sem adubagem ou técnica elaborada, o que levava ao rápido esgotamento do solo e seu conseqüente abandono. Na preparação do terreno a ser cultivado, os maias cortavam as árvores e arbustos com machados de pedra e depois os queimavam. As sementes eram plantadas em buracos cavados no solo por estacas de madeira pontiagudas. Esgotada a terra, os maias há deixavam alguns anos em repouso, sem cultivar, e novas áreas da floresta eram desmatadas para o plantio.

Plantation maia

Como unidade de troca, utilizavam sementes de cacau e sinetas de cobre, material que empregavam também para trabalhos ornamentais, ao lado do ouro, da prata, do jade, das conchas do mar e das plumas coloridas. Entretanto, desconheciam as ferramentas metálicas.

As observações astronômicas davam aos maias o domínio sobre o fenômeno da mudança das estações, o que permitia obter melhores colheitas.

Os principais produtos cultivados eram em primeiro lugar o milho, mas também feijão, abóbora, vários tubérculos, cacau, mamão, abacate, algodão e tabaco. Os excedentes da colheita se destinavam ao comércio, na base do escambo ou troca, que alcançou notável desenvolvimento entre as principais cidades e gerou respeitada classe de comerciantes.
Os maias também se dedicavam à caça e à pesca e criavam animais para a alimentação. Desconheciam, no entanto a tração animal, o arado e a roda. Por falta de matéria-prima local não conheceram também a metalurgia, mas desenvolveram importante indústria lítica (de pedra) que lhes fornecia armas, enfeites e instrumentos de trabalho. Tiveram ainda muita importância na civilização maia à produção de cerâmica (embora não conhecessem a roda de oleiro), a cestaria, a tecelagem e a arte lapidária.

Atividades agrículas e comercias

É importante observar que por serem os recursos naturais escassos não lhes garantindo o excedente que necessitavam a tendência foi desenvolverem técnicas agrícolas, como terraços, por exemplo, para vencer a erosão.Os pântanos foram drenados para se obter condições adequadas ao plantio.

Cacau, antiga base de troca maia

Ao lado desses progressos técnicos, observamos que o cultivo do milho se prendia ao uso das queimadas. Durante os meses da seca, limpavam os terreno, deixando apenas as árvores mais frondosas. Em seguida, ateavam fogo para limpa-lo deixando o campo em condições de ser semeado, e com um bastão faziam buracos onde eram colocadas as semente.

Dada a forma com que era realizado o cultivo a produção se mantinha por apenas dois ou três anos consecutivos. Com o desgaste certo do solo, o agricultor era obrigado a procurar novas terras. Ainda hoje a técnica da queimada, apesar de prejudicar o solo, é utilizada em diversas regiões do continente americano.

As Terras Baixas concentraram uma população densa em áreas pouco férteis. Com produção pequena para as necessidades da população, foi necessário não apenas inovar em termos de técnicas agrícolas, como também importar de outras regiões produtos como o milho, por exemplo.

O comércio era dinamizado com produtos como o jade, plumas, tecidos, cerâmicas, mel, cacau e escravos, através das estradas ou de canoas.

Por Fenrir

Acabou a leitura? Talvez você se interesse por isso:

10 Comentários para 'Maias: Economia e Agricultura':
  1. miqueias disse:

    a caranba gostei do site de vcs mais vamos conbina de publicar mais coisas ne

  2. ingrid disse:

    Eu adoro estudar os Maias pois, eu pensava que eles não tinham cultura mas eles foram o povo que enventou a ponte de capim acredita ? POis é os mais mudaram o meu modo de pensar em historia pois com a historia eu chego lá

  3. aline disse:

    eu adorei esse site pq aprendi mais sobre os maias

  4. eduardo disse:

    eu acho muito legal

  5. Luana disse:

    eu adorei!gostei muito adoro estudar os maias

  6. AndreLLF disse:

    Seria interessante fazer historia comparada com outras civilizações, é uma pena não ter material suficiente. E mesmo que tivesse como acontece em outros casos, isso não se faz…

  7. Stefany disse:

    Adoreiiii tem tudo quew eu ´presciso (ingrid)parabens vc e a primeira pessoa que eu vejo falar q gosta de estudar esses povos.rsrsrrsrss
    pode ser professora de historia ,se ja nao e?
    bjos continuem a sim

  8. gefferson disse:

    a pesquisa sobre os maias esta show

  9. beatriz disse:

    nossa! muito bom esse site! publique mais coisas!

Deixe seu comentário

*